sábado, 31 de janeiro de 2009

Jorge Picciani continuará como presidente da Alerj

Quase nada muda na Alerj. Somente haverá mudanças na formação de alguns cargos da Mesa Diretora.

Os 70 deputados estaduais fluminenses interromperão o recesso parlamentar nesta segunda-feira, às 15 horas. Na ocasião, haverá a eleição para a Mesa Diretora da Assembleia Legislativa do Rio (Alerj) e a escolha da composição das 35 comissões permanentes da Casa. O atual presidente, Jorge Picciani (PMDB), concorre à re-eleição em chapa única, graças a acordo com lideranças partidárias com representação no Legislativo.

Olney Botelho (PDT), de Friburgo, entrará na 4ª Secretaria, no lugar de Fábio Silva (PMDB). Waldeth Basiel (PR) ficará no lugar de Edino da Fonseca (PR), de São Gonçalo. O restante deverá continuar como está. Inclusive Graça Matos (PMDB), de São Gonçalo, na 1ª Secretaria. Segundo a assessoria de Picciani, este espera que o PT se defina sobre o cargo que terá na Mesa Diretora. O partido reivindicará, em reunião com Picciani nesta segunda-feira de manhã, a permanência de Gilberto Palmares na 2ª Vice-Presidência.

As comissões permanentes consideradas mais importantes já têm nomes definidos. A Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) continua com Paulo Melo (PMDB). Tributação e Controle, com Luiz Paulo Corrêa da Rocha (PSDB). Na de Segurança, será mantido Wagner Montes (PDT). No Orçamento, Edson Albertassi (PMDB). Na de Defesa do Consumidor, a vaga é de Cidinha Campos (PDT). Direito da Mulher fica com Inês Pandeló (PT). Meio Ambiente, com André do PV. A de Educação, com Comte Bittencourt (PPS), de Niterói. A de Trabalho fica com Paulo Ramos (PDT).

2 comentários:

lucas disse...

Vai aqui um desabafo da esposa do policial militar do 29º BPM DARLAN DE SOUZA SANTOS RG 48744, que durante o tempo em que serviu, com esmero e respeito á instituição bicentenária que é a PMERJ mas que é comandada no sentido geral por incompetentes, desumanos, desqualificados, que desvalorizam seus profissionais tal qual procede o chefe maior que é o GOVERNADOR SÉRGIO CABRAL que ao invés de dar salários dignos aos policiais vive de promessas infundadas tratando-os como verdadeiros idiotas e otários enganando-os ; assim como foi feito com meu esposo que adoeceu sofrendo de males que ate hoje o aflige, que embora tratando durante 6 anos com vários profissionais da área psiquiátrica não conseguiu êxito na cura, alterando ainda mais quando fora chamado de BANDIDO pelo jornal O DIA com o seguinte dizer " A menor prisão do mundo é uma farda de um policial militar porque é onde cabe somente um BANDIDO "
E por não haver melhora no tratamento do meu esposo tiveram que reformá-lo, fato este ocorrido de forma covarde pela junta nomeada para sua avaliação pós composta por vários psiquiatras que com a clara intenção de preservar o ESTADO em pagar de forma justa a este profissional o que lhe é de direito baseado no que ele adquiriu no exercício da função por sua dedicação profissional, esta junta é designada para o laudo e parecer prejudicaram de forma covarde e desumana o meu esposo impedindo-o de receber os direitos que lhe são conferidos ao emitirem o seguinte laudo contendo este teor “Incapaz definitivamente para o serviço policial militar. A moléstia é incurável e não foi adquirida em consequência em ato de serviço. Não está impossibilitado total e permanentemente para qualquer trabalho, por tanto, não é invalido pode prover meios de subsistência na vida civil
Como poderia o meu marido exercer qualquer profissão de quaisquer natureza sendo ele obrigado a fazer uso constante de medicamentos que proporcionam efeitos colaterais dos mais diversos possíveis que muita das vezes é preciso no momento de se levantar da cama por ter tomado os remédios para dormir e os efeitos perduram por tempo indeterminado tornando-o dependente de meu amparo até que possa se restabelecer um pouco; são eles os remédios: Pondera 25mg, Donarem 50mg, Diazepam 10mg, Trilepital 300mg e Sulpan 10mg. Todos indispensáveis ao seu uso conforme prescrição da psiquiatra que o acompanha doutora Cristiane Gomes da S. de Araújo CRM 52 70267-6. Que diagnosticou-o no CID: F33.3 + F41.1 + F43.1 + F23.1.
E como se não bastasse ele ao ser reformado no dia 01 de outubro de 2008 a seção responsável pela classe de inatividade cometeu um erro prejudicando-o impedindo de receber o que todo o policial após ser reformado recebe em seus vencimentos e o erro foi admitido pela seção responsável e não corrigido até a presente data, pois o mês de Maio foi pago com as diferenças, o de Junho não, o de Julho sim e o de Agosto não, fora que de Outubro mês da reforma até Abril esta diferença não foi paga. Fato este que deveria ser sindicado por quem é responsável direto ou indiretamente pela boa maneira e forma justa de tratar a vida dos profissionais de segurança pública. Vai aqui a minha indignação e revolta mediante a esta situação vexatória . Eu gostaria que o comando geral, o governador, o chefe da DGS e esta junta de inspeção que avalio meu marido fizesse uso somente de um desses remédios e tentasse exercer qualquer profissão com os efeitos colaterais provocados por eles em especial o Sr.Coronel Alfredo Antônio Potsch, que presidiu a esta junta.

lucas disse...

Vai aqui um desabafo da esposa do policial militar do 29º BPM DARLAN DE SOUZA SANTOS RG 48744, que durante o tempo em que serviu, com esmero e respeito á instituição bicentenária que é a PMERJ mas que é comandada no sentido geral por incompetentes, desumanos, desqualificados, que desvalorizam seus profissionais tal qual procede o chefe maior que é o GOVERNADOR SÉRGIO CABRAL que ao invés de dar salários dignos aos policiais vive de promessas infundadas tratando-os como verdadeiros idiotas e otários enganando-os ; assim como foi feito com meu esposo que adoeceu sofrendo de males que ate hoje o aflige, que embora tratando durante 6 anos com vários profissionais da área psiquiátrica não conseguiu êxito na cura, alterando ainda mais quando fora chamado de BANDIDO pelo jornal O DIA com o seguinte dizer " A menor prisão do mundo é uma farda de um policial militar porque é onde cabe somente um BANDIDO "
E por não haver melhora no tratamento do meu esposo tiveram que reformá-lo, fato este ocorrido de forma covarde pela junta nomeada para sua avaliação pós composta por vários psiquiatras que com a clara intenção de preservar o ESTADO em pagar de forma justa a este profissional o que lhe é de direito baseado no que ele adquiriu no exercício da função por sua dedicação profissional, esta junta é designada para o laudo e parecer prejudicaram de forma covarde e desumana o meu esposo impedindo-o de receber os direitos que lhe são conferidos ao emitirem o seguinte laudo contendo este teor “Incapaz definitivamente para o serviço policial militar. A moléstia é incurável e não foi adquirida em consequência em ato de serviço. Não está impossibilitado total e permanentemente para qualquer trabalho, por tanto, não é invalido pode prover meios de subsistência na vida civil
Como poderia o meu marido exercer qualquer profissão de quaisquer natureza sendo ele obrigado a fazer uso constante de medicamentos que proporcionam efeitos colaterais dos mais diversos possíveis que muita das vezes é preciso no momento de se levantar da cama por ter tomado os remédios para dormir e os efeitos perduram por tempo indeterminado tornando-o dependente de meu amparo até que possa se restabelecer um pouco; são eles os remédios: Pondera 25mg, Donarem 50mg, Diazepam 10mg, Trilepital 300mg e Sulpan 10mg. Todos indispensáveis ao seu uso conforme prescrição da psiquiatra que o acompanha doutora Cristiane Gomes da S. de Araújo CRM 52 70267-6. Que diagnosticou-o no CID: F33.3 + F41.1 + F43.1 + F23.1.
E como se não bastasse ele ao ser reformado no dia 01 de outubro de 2008 a seção responsável pela classe de inatividade cometeu um erro prejudicando-o impedindo de receber o que todo o policial após ser reformado recebe em seus vencimentos e o erro foi admitido pela seção responsável e não corrigido até a presente data, pois o mês de Maio foi pago com as diferenças, o de Junho não, o de Julho sim e o de Agosto não, fora que de Outubro mês da reforma até Abril esta diferença não foi paga. Fato este que deveria ser sindicado por quem é responsável direto ou indiretamente pela boa maneira e forma justa de tratar a vida dos profissionais de segurança pública. Vai aqui a minha indignação e revolta mediante a esta situação vexatória . Eu gostaria que o comando geral, o governador, o chefe da DGS e esta junta de inspeção que avalio meu marido fizesse uso somente de um desses remédios e tentasse exercer qualquer profissão com os efeitos colaterais provocados por eles em especial o Sr.Coronel Alfredo Antônio Potsch, que presidiu a esta junta.

 
PageRank